Brasão Abaziale
  Brasão Abaziale

Mosteiro Esárquico de Santa Maria de Grottaferrata - Monges Basilianos

Corso del Popolo, 128 - 00046 Grottaferrata (RM) - Tel. (0039) 06.945.93.09 - Fax (+039) 06.945.67.34

Italiano Ελληνικά English Français Deutsch Русский
 

Página inicial Origen e História Liturgia e Celebrações Arte e Cultura Contatos  
 
    VOCAÇÃO "Seduzistes-me, Senhor; e eu me deixei seduzir!" (Jr. 20, 7)  
 

Vida Monástica

Typikon, nossa regra de vida

Vocação

Discernimento vocacional

Formação monástica

Filmes

Mapa do Site

XHTML 1.1 aprovado

CSS aprovado

São Basílio o GrandeOS MONGES BASILIANOS

São Basílio o Grande (330 cerca - 379), Pai da Igreja Oriental, antes de sua nomeação como arcebispo de Cesaréia da Capadócia, viveu uma experiência monástica durante a qual escreveu algumas obras ascéticas que depois foram reunidas em duas coleções: "Regula Major" e "Regula Brevior". Segundo São Basílio, a vida cenóbica deve basear- se em princípios espirituais juntamente com a obediência ao Abade e a caridade que deve unir os monges entre si. Os seus preceitos exerceram uma grande influência em todo o monaquésimo do Oriente cristão. Além dos ensinamentos de São Basílio, a espiritualidade monástica Bizantina presente na Itália inspira- se também em outras experiências que vão dos Padres do Deserto até São Teodoro Studita, "Igumeno" (Superior) do célebre mosteiro de "Stoudios" em Constantinopla. No início do século XIII a Igreja de Roma, que com a conquista da Itália meridional pelos Normanni havia recuperado a jurisdição eclesiástica sobre aquele território, começou a definir todos os monges bizantinos como seguidores de São Basílio, chamando-os de "Monges Basilianos". Este foi o início de um processo que, em 1579, com a Constituição "Benedictus Dominus" do Papa Gregório XIII, levou à fundação da Congregação dos Monges Basilianos. O monaquésimo bizantino presente na Itália recebia assim o fundamento jurídico de "Ordem" e os abades, não mais autonomos, foram colocados sob a direção de um Abade Geral.

POR QUE SER MONGE BASILIANO?

Quando Deus faz ouvir a sua voz e nós dizemos o nosso "Eis-me aqui" ao Único que chama as estrelas pelo nome, inicia um processo de morte e ressurreição na nossa vida que nos torna "diferentes", porque nos envolve diretamente no plano de Deus.

Cada criatura humana, pelo simples fato de vir à luz, é "chamada" pela bondade de Deus a tornar-se um membro precioso e insubstituível do Corpo de Jesus Cristo e a gozar da plena adoção como filho de Deus. Entre os batizados, o Senhor chama alguns para segui-lo mais diretamente, consagrando a Ele toda a sua vida: é esta, desde os primeiros séculos da história da Igreja cristã, a característica específica de um monge.

O "Typikón" (Regra Santa de vida) do nosso mosteiro diz assim:

"Entre os discípulos que estão no mundo, mas não são do mundo, o monge é aquele que, respondendo ao apelo de Deus que o chama a seguí-lo na solidão do deserto falando ao seu coração, dá testemunho, com a oferta total da sua vida, de um amor evidenciado em modo especial na espera escatológica e da esperança que o nutre na fé. A vida do monge é, portanto, angelica, como proclama toda a tradição patrística e litúrgica, porque, como um anjo, ele se coloca na docilidade ao Espírito e ao total serviço de Deus, ainda que plenamente consciente de todas as suas fraquezas e misérias.

Nessa exclusividade manifesta-se aquela fecundidade especial do testemunho monástico que a tradição acolheu muito bem quando afirma que a hábito monástico é aquele já utilizado pelos Apóstolos do Senhor. Tal fecundidade consiste não tanto e nem principalmente em agir, se bem que a ação não é de fato exclusa, quando acima de tudo em ser uma criatura nova, segundo um modo de existir que encontra o seu modelo na Mãe de Deus, em João Batista, em Maria de Betânia, no Discípulo predileto. Nessa perspectiva é significativo que a tradição tenha visto, ao longo da história e na profissão monástica, um "segundo batismo", do qual é sinal o novo nome que o monge recebe no momento da oferta de si próprio a Deus.

A vida monástica é, portanto, a vida cristã realizada de forma radical, renunciando ainda quede forma positiva, às realidades da criatura, na pobreza, na obediência, na castidade. O sinal particular do monge é a oração, elevada pelo coração movido do Espírito, em resposta à Palavra acolhida, meditada, "ruminada"; a exigência constante de conversão; a purificação do coração: o combate contra os "pensamentos maus", a humildade, a obediência, a pobreza, a castidade, a meditação da precariedade da vida, o arrependimento, a renúncia ao amor egoísta por si próprio, a dor pelos pecados cometidos e as lágrimas que a acompanham. A vida monástica é, portanto, a vida cristã realizada de forma radical, não como uma condição a parte, própria de uma categoria de cristãos, mas em particular como ponto de referência para todos os batizados."

A nossa vida ascética baseia-se na observação integral do Santo Evangelho na espiritualidade dos Santos Padres gregos, Basílio o Grande, Teodoro Studita, Massimo o Confessor, Giovanni Climaco, a nós anunciado em modo especial pelos nossos santos fundadores Nilo e Bartolomeu.

As jornadas diárias são vividas ao ritmo das celebrações litúrgicas e dos trabalhos manuais ou intelectuais de cada monge. Busca-se facilitar, para cada um, a realização pessoal do plano divino tendo em conta as qualidades inatas, os atrativos espirituais e resistência física, sempre na obediência aos superiores e às tradições monásticas.

As nossas principais atividades são:

Liturgia, oração e direção espiritual

Biblioteca monástica aberta ao público

Publicação de revistas e livros

Laboratório de Restauração de livros

Ensino no Liceu Clássico do Mosteiro

Museu monástico

Cultivo da terra (agricultura)

O serviço para união dos cristãos é o nosso principal empenho, Monges Basilianos de Grottaferrata e em particular entre Católicos e Ortodoxos. Contribuindo ao diálogo entre as Igrejas irmãs fazemo-lo antes de tudo com o empenho quotidiano na conversão, na penitencia, na ascese e na oração, animados pelo desejo da realização da oração de Jesus ao Pai "para que todos sejam uma coisa só" (Jo 17, 21).

Com tal dimensão de chamamento, de testemunho e de serviço pela unidade cristã, o Mosteiro de Nossa Senhora de Grottaferrata representa um centro de encontro do diálogo ecuménico entre o Oriente e o Ocidente. Pelo êxito deste propósito nós, Monges Basilianos, não cessamos de invocar a luz do Espírito Santo e a particular intercessão da Santa Mãe de Deus Odigitria.

"Por graça de Deus estamos reunidos, juntos no nome do Senhor, nós que nos propomos a um único e idêntico fim: a vida vivida na piedade."
São Basílio o Grande

"O monge tem como objetivo apenas Deus, deseja somente Deus, ocupa-se só de Deus, tende a servir somente a Deus e, vivendo em paz com Deus, torna-se motivo de paz para os outros."
São Teodoro Studita

"O monge é um anjo e a sua obra é a misericórdia, paz e sacrifício de louvor."
São Nilo fundador

 

Se sente no teu coração o convite do Senhor a segui-lo mais intimamente,
responda generosamente com o seu Sim.
A vida monástica Basiliana é de total consagração a Deus,
na abertura às necessidades dos irmãos,
para o bem da Igreja e de toda a humanidade.
Não tema a dificuldades que crê de poder encontrar.
Coragem, venha estar connosco por um período de tempo.
Contate-nos, "Vinde e Vede!"

Se deseja maiores informações sobre os Monges Basilianos de Grottaferrata
solicite o folder e \ ou o vídeo vocacional - Send an e-mail

Responsável pelas vocações: Pe Michel
Tel. (0039) 06.945.93.09 - E-mail: Envie um e-mail

 
 

© 2001-2017 Congregação dos Monges basilianos na Itàlia - Todos os direitos reservados - Credits